Skip directly to content

Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho: uma ideia que deu certo

O diagnóstico da dor no joelho era difícil e a pneumoartrografia contrastada que permitia a visualização indireta das estruturas meniscais e ligamentares internas do joelho, foi uma precursora da ressonância; os grupos especializados começavam a surgir no Departamento de Ortopedia da Faculdade de Medicina da USP-FMUSP; o então Dr. Marco Amatuzzi, na época interessado empatologia do pé, começava a se interessar pela pneumoartrografia; e eu iniciava minha vida ortopédica como seu assistente no Instituto de Ortopedia da FMUSP. O Grupo de Joelho do IOT começou a se reunir às quintas-feiras à noite, dia do meu plantão no PS-IOT, e a atender pacientes que iamembusca de pneumoartrografias e esclarecimento diagnóstico de doenças do joelho, às sextas-feiras pela manhã.
 
Às quintas-feiras à noite eram lidos e discutidos trabalhos que Amatuzzi selecionava e resumia em fichas de rápida consulta. Com o passar dos anos, colegas de outros hospitais começaram a visitar o IOT, que ficou pequeno para as reuniões e restrito para a visita de pacientes externos; assim, as reuniões passaram a ser feitas no consultório de Amatuzzi. O Grupo de Joelho do IOTUSP dava cursos que eram muito concorridos, até que se resolveu fundar a Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho (SBCJ), no mês de agosto de 1983.
 
A SBCJ foi fundada em uma reunião no Hotel Maksoud, patrocinada por um laboratório do qual um cliente de Amatuzzi, o Sr. Mantegassa, era presidente. As reuniões do Grupo de Joelho continuaram e existem até hoje no IOT e a SBCJ se desenvolveu, passando dos limites do IOT e atingindo o mundo.
 
Vários estagiários frequentaram serviços, que inicialmente eram acreditados e hoje são credenciados para o aprendizado dos conceitos da patologia do joelho. A troca de estagiários e as visitas frequentes criaram um laço de amizade entre os diversos sócios da SBCJ, que é a sua marca. Os congressos parecem festas de aniversário de família, nas quais o encontro com pessoas queridas é comemorado.
 
No plano nacional, realizamos vários congressos, conhecidos pelo sucesso, e cursos regionais tradicionais, alguns que já ultrapassaram a décima edição. A qualidade das apresentações, sempre uma marca dos sócios da SBCJ, estabeleceu um padrão que sempre é mantido e aprimorado. O exemplo é a melhor forma de educar.
 
Nunca foi cobrada nenhuma taxa ou anuidade; pertencer à SBCJ é uma deferência; nunca tivemos uma eleição; as chapas diretivas sempre foram escolhidas por consenso e negociação. Brigas ocorreram e não foram poucas, mas nunca intervieram no andamento da Sociedade, que esteve sempre acima de qualquer problema pessoal. No corpo diretivo da SBOT, a participação dos membros da SBCJ é muito significativa, já tivemos cinco presidentes da SBCJ que presidiram a SBOT, e, provavelmente, teremos outros.
 
A SBCJ estabeleceu, através de seus membros, sólidas relações internacionais que deram muita sustentabilidade a sua estrutura de educação médica continuada. Trouxemos Jack Hughston, Henry Dejour, John Insall, Frank Noyes, James Andrews, Lamberto Perujia e tantos outros, que nos permitiram expandir nossa área de conhecimentos. Com visitas aos seus serviços, pudemos trazer novas técnicas e a internacionalização dos nossos membros. As nossas relações internacionais aumentaram e hoje conhecemos e somos conhecidos em todos os grandes centros de cirurgia do joelho do mundo.
 
Participamos de vários cursos e congressos internacionais como convidados e membros ativos. Fundamos, como membros atuantes, a ISAKOS (International Society of Arthroscopy, Knee Surgery and Orthopaedic Sports Medicine), que fez seu último congresso no Brasil. Hoje a ISAKOS é presidida por Moisés Cohen, um dos nossos ex-presidentes.
 
Tenho certeza que nesse momento há um membro da SBCJ estagiando em algum lugar do mundo ortopédico, fazendo contato e procurando novos caminhos. O diagnóstico da dor no joelho continua difícil, e nós continuamos a tentar compreendê-la, só que agora juntos e unidos por uma grande amizade de 30 anos, que sem dúvida é o segredo desta ideia que deu certo.
 
Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho – 1989-1990
 
 


Postar novo Comentário